MENU

AVE MARIA

Ave-Maria, cheia de graça! O Senhor é convosco Bendita sois vós entre as mulheres e Bendito é o Fruto do vosso ventre, Jesus Santa Maria Mãe de Deus, rogai por nós os pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém

Menu Deslizante

Páginas

OLÁ!

http://img1.picmix.com/output/pic/original/1/8/8/9/3899881_962d3.gif


segunda-feira, 27 de julho de 2015

UMA DEFINIÇÃO DE CAVALHEIROS: ALGUÉM QUE JAMAIS INFLIGE A DOR

"...ele é sábio demais para ser dogmático ou fanático"

marito e moglie in cucina

Na prática, define-se um cavalheiro dizendo que ele é alguém que jamais inflige a dor. Esta descrição é refinada e, na medida do possível, precisa. Ele se ocupa principalmente com a simples remoção dos obstáculos que impedem a ação livre e desembaraçada daqueles à sua volta, e contribui com seus passos em vez de apenas por si tomar a iniciativa. Seus benefícios podem ser considerados como paralelos ao que chamamos confortos ou conveniências nas disposições pessoais: como uma poltrona ou um bom fogo, que fazem sua parte para dissipar o frio e o cansaço, embora mesmo sem eles a natureza forneça os meios de descanso e calor animal. Da mesma forma, o verdadeiro cavalheiro cuidadosamente evita tudo que possa causar um sobressalto ou choque nas mentes daqueles com os quais se mistura; — todo conflito de opinião ou colisão de sentimentos, toda repressão, ou suspeita, ou melancolia, ou ressentimento; sua grande preocupação é fazer todos sentirem-se à vontade e em casa. Ele observa a todos em sua companhia; é tenro com o tímido, gentil com o distante e misericordioso com o absurdo; ele é capaz de lembrar-se de com quem está falando; ele se protege das alusões inoportunas e dos temas irritantes; ele raramente se arvora na conversa e jamais é cansativo. Ele faz pouco dos favores enquanto os realiza, e parece ser ele quem os recebe quando os concede. Jamais fala de si mesmo, exceto quando exigido; jamais se defende por uma simples réplica, não dá ouvidos à calúnia ou à fofoca, é escrupuloso ao imputar motivos aos que se intrometem e tudo interpreta com a melhor das intenções.

Em suas controvérsias, jamais é mesquinho ou insignificante, jamais leva uma vantagem injusta, jamais confunde personalidades ou língua afiada com argumentos ou insinua uma maldade que não ousaria dizer em alto e bom som. Partindo de uma previdente prudência, ele observa a máxima do sábio antigo de que devemos sempre nos dirigir ao nosso inimigo como se ele um dia se tornasse nosso amigo. Ele possui bom senso demais para ser afrontado por insultos, é muito ocupado para se lembrar de ofensas e indolente demais para comportar malícia. É paciente, tolerante e resignado a respeito de princípios filosóficos; submete-se à dor, porque é inevitável, à perda, porque é irreparável, e à morte, porque é seu destino. Se entra em qualquer tipo de controvérsia, seu disciplinado intelecto o preserva da desajeitada descortesia de mentes possivelmente melhores, mas menos educadas: pessoas que, como armas embotadas, rasgam e retalham ao invés de fazerem corte limpo, que confundem o ponto da argumentação, desperdiçam sua energia em ninharias, interpretam mal o adversário e deixam a questão ainda mais convoluta do que quando a encararam. A opinião do cavalheiro pode estar certa ou errada, mas ele é lúcido demais para o injusto; é tão simples quanto convincente e tão breve quanto decisivo. Em nenhum outro lugar encontraremos maior franqueza, consideração e indulgência: ele se joga para dentro da cabeça de seus oponentes e explica seus enganos. Ele conhece a fragilidade da razão humana, bem como a sua força, seu domínio e seus limites. Se for descrente, será profundo demais e generoso demais para ridicularizar a religião ou ir contra ela; é sábio demais para ser dogmático ou fanático em sua infidelidade. Ele respeita a piedade e a devoção e até apoia como veneráveis, belas e úteis as instituições das quais discorda; ele honra os ministros religiosos e julga agradável rejeitar seus mistérios sem ter de atacá-los ou denunciá-los. Ele é amigo da tolerância religiosa, e não porque a sua filosofia o tenha ensinado a ver todas as formas de fé com olhar imparcial, mas também pela gentileza e delicadeza do sentimento que serve à civilização.

Não que ele também não possa ter uma religião, a seu próprio modo, mesmo que não seja cristão. Nesse caso, sua religião é uma religião da imaginação e do sentimento; é a encarnação daquelas ideias do sublime, do majestoso e do belo, sem as quais não pode haver uma grande filosofia. Às vezes, reconhece a existência de Deus; às vezes, aplica a um princípio desconhecido ou a uma qualidade desconhecida os atributos da perfeição. E essa dedução de sua razão, ou criação de sua imaginação, ele a transforma em ocasião de excelentes pensamentos e em ponto de partida para um ensinamento tão variado e sistemático que até parece, ele, um discípulo do próprio cristianismo.

Com a precisão e estabilidade dos seus poderes lógicos, ele é capaz de ver quais sentimentos são consistentes naqueles que defendem alguma doutrina religiosa, e parece, aos olhos dos outros, sentir e defender um círculo inteiro de verdades teológicas que existem em sua mente como uma série de deduções.


Tradução, por Emílio Costaguá, de trecho do Discurso VIII em “The Idea of a University” (1852), publicada na revista Terminal.

Fonte: Aleteia

DESEJO À VOCÊ!

Que… “Chuvas de Bênçãos sejam derramadas abundantemente sobre ti e tua Casa“… Que… a Unção de DEUS seja como um bálsamo a envolver tua vida e te Ungir Completamente pela Glória de DEUS“… Que… “DEUS faça prosperar tudo aquilo que vier até tuas mãos, e que de uma semente cresçam milhares de árvores Frutíferas“… Que… “Todas as Promessas de DEUS sejam uma Coroa de Vitória e Vida para você como Prova da Fidelidade do teu DEUS, acerca de tudo o que Ele Fala e Cumpre“… Que… “Rios de águas Vivas corram dentro de tí, purificando, e levando tudo aquilo o que não é de DEUS“. Que…“A Glória de DEUS repouse sobre sua vida…Amém ...