MENU

AVE MARIA

Ave-Maria, cheia de graça! O Senhor é convosco Bendita sois vós entre as mulheres e Bendito é o Fruto do vosso ventre, Jesus Santa Maria Mãe de Deus, rogai por nós os pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém

Menu Deslizante

Páginas

OLÁ!

http://img1.picmix.com/output/pic/original/1/8/8/9/3899881_962d3.gif


sexta-feira, 7 de julho de 2017

A ORAÇÃO DE MARIA DO NATAL AO PENTECOSTES


A profundidade da oração da Virgem Maria manifesta-se desde a luz do Natal, passa pelos sofrimentos da Paixão, para transbordar-se no derramamento do Espírito no Pentecostes.
No Natal, manifestação do Verbo neste mundo é uma manifestação de luz: uma claridade surge no céu, uma estrela guia os magos, os anjos cantam na terra “paz aos homens, objeto da benevolência divina” (Lc 2, 14); e nessa manifestação simbólica de luz, iluminados também por ela, nós encontramos são José e a Santíssima Virgem.
A profundidade da oração da Virgem Maria manifesta-se desde a luz do Natal, passa pelos sofrimentos da Paixão, para transbordar-se no derramamento do Espírito no Pentecostes.Adoração dos pastores no Natal de Jesus
A vida que a habitou não deixa a Virgem; essa vida está daqui em diante no Verbo encarnado que ela contempla e que as almas poderão agora contemplar como ela, sob o doce véu da carne que ela lhe deu. Nós gostamos de vê-la, a primeira a inclinar-se sobre o olhar que se abre do Menino Deus. Nós pensamos nas fontes cristalinas de são João da Cruz, nas cavernas de pedra[1]; é a Virgem a primeira a conhecê-las.
A oração de Maria do Natal até a vida pública de Jesus
Todas as luzes do Natal, os acontecimentos as confirmam: eis os pastores e eis os magos que tornam verídicas as palavras do anjo. Eis ainda, no dia da Apresentação, o canto de Simeão e as palavras da profetisa Ana. Tudo isso é para a Virgem um comentário do que ela sabia sem dúvida, mas, jamais se sabe bastante dessas coisas?
E Virgem dá graças a Deus!
Mas outras palavras confirmam uma segunda luz: “Uma espada de dor transpassará vossa alma” (Lc 2, 35). Ela conhece também o anúncio que faz o profeta Isaías do homem de dor e ela já encontrou nos olhos de seu Filho o mistério da Redenção. Eis, pois, a confirmação.
Qual será essa espada? Ela não o sabe em detalhe, mas a palavra basta para fazer brilhar em sua oração o mistério da Redenção.
A Virgem sabe que ela dá seu Filho, depois de se ter dado completamente a si mesma. Ela sabe que o envia ao sofrimento e à morte, que Deus lhe dará isso. Toda a sua oração de Nazaré aí está: silenciosa, misteriosa, com luz e sofrimento, já sob o véu da Paixão, sem detalhes precisos: um conjunto de sofrimentos onde domina aquele do peso do pecado. A participação da Virgem na Paixão será, aliás, como a nossa, somente interior; é o Getsêmani.
É por esse sofrimento da Mãe do Verbo que ela gera os homens.
Virão em seguida as realizações, primeiro com o ministério público de Nosso Senhor. Maria vibra com os sucessos obtidos na Galileia, e sofre com as dificuldades na Judeia. Eis enfim a hora anunciada de Jerusalém. É preciso que a Virgem esteja lá, que ela cumpra sua missão de corredentora.

A oração de Maria na Paixão e na Ressurreição de Jesus
Maria sobe a Jerusalém, onde verá com seus próprios olhos os sofrimentos aos quais é preciso se unir. Notemos as disposições da Virgem nesse momento da Paixão. Mãe dos homens, é a esta segunda graça que ela sacrifica tudo; mãe de Deus, deveria defender seu Filho. Ela não o faz, pois vê os desígnios de Deus; não é somente mãe da Cabeça do Corpo místico, mas dos membros também. Maria oferece, então, seu Filho e o dá completamente, pois a segunda graça o exige e comanda tudo nesse momento; poder-se-ia dizer, então, que ela nos ama mais do que a seu Filho.
A Virgem se dá também a si mesma, assistindo, visivelmente e com os olhos bem abertos, à Paixão sobre o Calvário.
Quem poderá conhecer o sofrimento de Jesus? Só a Virgem o pode, pois só ela foi ao fundo da alma do Cristo, em todos os instantes, e sobretudo naquele. Maria vê em Jesus a oposição dolorosa do pecado e da pureza divina; ela ressente toda a rudeza dos golpes que caem sobre essa sensibilidade delicada e vigorosa. Entretanto, não há nela fraqueza, nem desmaio. Não. A graça da maternidade a sustenta. Ela conhece o porquê de tudo isso, e não fraqueja, nem ao grito de Nosso Senhor, nem ao seu último suspiro.
A Virgem sabe, como o saberão os santos, que ela gera almas pelo sofrimento, e Nosso Senhor quer confirmar exteriormente essa luz interior. Ele lhe apresenta são João, em quem ela vê a humanidade regenerada: “Eis teu filho” (Jo 19, 26).
Maria fica de pé após a morte do Cristo, no Calvário, e é aí que ela é a mais formosa. Parece que sua obra está destruída. Por que ficar lá? Para guardar e representar a esperança.
Tem o corpo de seu Filho entre seus braços, tem à sua disposição o sangue de Cristo, que vai poder dispensar. E porque ela é Mãe do Cristo morto, é também Mãe da Vida, Mãe do Corpo místico que vai se construir pelo mérito da morte de Nosso Senhor.
Desaparece por isso a angústia? Não. Os contrários se unem na vida espiritual. A Virgem continua firme na luta dos dois amores: a maternidade dos homens feriu a maternidade divina com um inefável sofrimento. Santa Teresa de Ávila diz que Nosso Senhor veio muito rapidamente fazer cessar essa dor da qual a Virgem teria morrido seguramente[2], pois pensemos que, em Maria, a oração continua sempre, todas as suas faculdades estão orientadas Deus, para a luz, quer sejam de alegria quer sejam luzes dolorosas.
Toda a alma da Virgem vai participar também da Ressurreição.
Que alegria e que glória contemplar esta humanidade transformada, este triunfo da vida divina no corpo do Cristo, pois é também a vida que triunfa no Corpo místico; os Apóstolos lá estão. É a realização, o começo das grandes esperanças.
Sua oração sempre pacífica é, no entanto, triunfante durante os quarenta dias após a Páscoa.
Assim, toda a sua vida é de oração: receber cada coisa e as conservar em seu coração para as repassar na contemplação (cf. Lc 2, 19.51).

A oração de Maria da Ascensão ao Pentecostes
Depois é a Ascensão, a partida de Nosso Senhor. A tristeza que invade os Apóstolos teria podido invadir também a Virgem. Mas não importa que Jesus não esteja mais aqui, pois ele tem a glória nos céus; e, portanto, sua obra está lá. Os Apóstolos não o compreenderam ainda; é Maria que os prepara para receber a luz na oração e na paz, antes da chegada do Espírito Santo. Ei-lo, e ele a enche, ela, em primeiro lugar, para a ação.
Este é o natal do Corpo místico. O Espírito que cumula a Virgem a fecunda uma segunda vez até a consumação dos séculos, e sua presença nela se une à do Verbo. É aí nesse momento que ela se torna Mãe de Vida. Até então, a luz lhe tinha sido velada; hoje, essa luz transborda. Compreende-se então o desejo que teve Maria de se retirar na solidão e no recolhimento, para receber em plenitude o Espírito Santo e o difundir com mais abundância sobre Pedro, Paulo, João, e sentir que a vida nascia ao redor do amor.
A oração da Virgem se aproxima então da oração de Nosso Senhor para a união do Corpo místico (cf. Jo 17, 20-26).
“Que eles sejam um comigo, pode ela dizer também, como o Verbo o é comigo, e que eles tenham toda a luz que vós me tendes dado. Eu vos peço por eles, para que eles tenham a iluminação e o amor que vós tendes derramado sobre mim”.
Eis, pois, a oração da Virgem.
Nós gostamos de ver assim a Virgem, não somente na pura luz de sua irradiação de glória, mas também nos detalhes, nas modalidades exteriores que tomava sua oração.
A Virgem foi humana, mais do que nós: sentiu mais profundamente do que nós, porque era mais sensível. Sofreu mais do que nós podemos sofrer.
A Virgem é também mais mãe do que todas as mães: ela é unicamente mãe.
Após Pentecostes, ela não é verdadeiramente senão Mãe, toda entregue à sua graça maternal pela qual deu seu Filho. Também nós devemos nos sentir envolvidos em seu amor maternal imenso. Maria nos amou a ponto de nos sacrificar seu Filho; ela nos restou depois dele, aumentando ainda sua graça: por isso, sempre para nós, suas capacidades de amor. Prestemos a esse amor uma homenagem também, de confiança e de abandono. Entreguemos-lhe toda a nossa alma, todo o nosso corpo, pois nossa Mãe não faz distinção entre nossas necessidades: a maternidade espiritual envolve tudo. Abandonemos tudo a esse amor, quaisquer que sejam as circunstâncias em que nos encontremos.
Sejamos filhos, verdadeiramente, dessa Mãe de Deus: ele vem a nós por ela.

Fonte: FREI MARIA-EUGÊNIO DO MENINO JESUS. Virgem Maria: Mãe em plenitude, p. 44-48.

Links relacionados:

TODO DE MARIA. A Virgem Maria e os três Pentecostes.

TODO DE MARIA. Maria e o Mistério da Ascensão do Senhor.

TODO DE MARIA. O Natal e o amor a Jesus Cristo.

Referências:

[1]  Cf. Cântico Espiritual, canção XII e XXXVIl, Obras Completas, Vozes, Petrópolis 1984.
[2] Relações, 18 abril de 1571, Obras completas de Santa Teresa de Jesus, Loyola, São Paulo, 1995.

DESEJO À VOCÊ!

Que… “Chuvas de Bênçãos sejam derramadas abundantemente sobre ti e tua Casa“… Que… a Unção de DEUS seja como um bálsamo a envolver tua vida e te Ungir Completamente pela Glória de DEUS“… Que… “DEUS faça prosperar tudo aquilo que vier até tuas mãos, e que de uma semente cresçam milhares de árvores Frutíferas“… Que… “Todas as Promessas de DEUS sejam uma Coroa de Vitória e Vida para você como Prova da Fidelidade do teu DEUS, acerca de tudo o que Ele Fala e Cumpre“… Que… “Rios de águas Vivas corram dentro de tí, purificando, e levando tudo aquilo o que não é de DEUS“. Que…“A Glória de DEUS repouse sobre sua vida…Amém ...