MENU

AVE MARIA

Ave-Maria, cheia de graça! O Senhor é convosco Bendita sois vós entre as mulheres e Bendito é o Fruto do vosso ventre, Jesus Santa Maria Mãe de Deus, rogai por nós os pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém

Menu Deslizante

Páginas

OLÁ!

http://img1.picmix.com/output/pic/original/1/8/8/9/3899881_962d3.gif


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

A QUARESMA CONTEMPLADA COM A VIRGEM MARIA

O tempo Quaresmal é propício para a contemplação dos sofrimentos de Jesus Cristo, que se tornam mais frutuosa na presença materna da Virgem Maria.

Nesta Quaresma, nós que somos filhos e consagrados da Santíssima Virgem Maria, podemos viver esse tempo e contemplar os santos mistérios com ela, que permaneceu junto com seu Filho Jesus Cristo até a morte na cruz. Neste tempo fecundo que é a Quaresma, nos preparemos para morrer com Jesus Cristo e ressuscitar com Ele para uma vida nova. Nesse caminho de conversão, Nossa Senhora quer estar conosco e nos ajudar a preparar-nos para adentrar espiritualmente no mistério pascal de Cristo, na Sua paixão, morte e ressurreição.

O tempo Quaresmal é propício para a contemplação dos sofrimentos de Jesus Cristo, que se tornam mais frutuosa na presença materna da Virgem Maria.A Virgem Maria se encontra com seu Filho Jesus à caminho do Calvário

São José Maria Escrivá nos ensina que “muitas conversões, muitas decisões de entrega ao serviço de Deus, foram precedidas de um encontro com Maria. Nossa Senhora fomentou os desejos de busca, ativou maternalmente a inquietação da alma, fez aspirar a uma transformação, a uma vida nova. E assim, o fazei o que Ele vos disser1 converteu-se numa realidade de amorosa entrega, na vocação cristã que ilumina desde então toda a nossa vida”2. Façamos essa experiência do encontro com a Santíssima Virgem, para que nossos corações se convertam cada vez mais a nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo e vivamos com Ele e por Ele uma vida nova.

A Virgem Maria como modelo de contemplação

São João Paulo II afirma que “a contemplação de Cristo tem em Maria o seu modelo insuperável”3. O rosto do Filho de Deus pertence a sua Mãe Santíssima de modo muito especial. Pois, foi no seu ventre imaculado que Ele, em sua carne humana, foi gerado pelo Espírito Santo. Jesus Cristo recebeu da Virgem Maria uma semelhança humana que evidencia uma intimidade espiritual certamente ainda maior. “À contemplação do rosto de Cristo, ninguém se dedicou com a mesma assiduidade de Maria. Os olhos do seu coração concentram-se de algum modo sobre Ele já na Anunciação4, quando O concebe por obra do Espírito Santo; nos meses seguintes, começa a sentir sua presença e a pressagiar os contornos”5 da sua face. Quando finalmente deu à luz em Belém, os seus olhos de carne também puderam fixar-se com ternura no rosto do Filho. Neste momento de grande alegria, podemos imaginar com que amor, devoção e reverência Nossa Senhora envolveu o Menino Jesus em faixas e reclinou-O numa manjedoura6.

Desde então, o olhar materno da Virgem de Nazaré, cheio sempre de reverente estupor, não se separará mais do Filho de Deus. Algumas vezes será um olhar questionador, como aconteceu na perda de Jesus no templo: “Filho, porque nos fizeste isto?”7 Algumas vezes, o seu olhar materno será um olhar penetrante, capaz de ler no íntimo de seu divino Filho, a ponto de perceber os seus sentimentos mais escondidos e prever suas decisões, como na festa de casamento em Caná8. Outras vezes, será um olhar doloroso, principalmente aos pés da cruz, onde haverá ainda, de certa forma, o olhar da parturiente. Pois, no Calvário, a Virgem Maria não se limitará a compartilhar a paixão e a morte do seu Filho Unigênito, mas acolherá o novo filho, que somos todos e cada um de nós, entregue a ela na pessoa do Discípulo amado9. Na manhã da Páscoa, será um olhar radioso pela alegria da ressurreição e, enfim, um olhar ardoroso pela efusão do Espírito Santo no dia de Pentecostes10.

A meditação dos mistérios dolorosos com Nossa Senhora

Se todos os dias somos chamados a meditar com profundidade os mistérios do Rosário da Virgem Maria, muito mais o devemos fazer neste tempo favorável de conversão e encontro com Deus que é a Quaresma. Todos os mistérios podem e devem ser rezados nesse tempo. No entanto, rezar, meditar e contemplar os mistérios dolorosos do Rosário da Virgem Maria se torna ainda mais significativo o Tempo Quaresmal. Pois, nos mistérios da dor contemplamos os mistérios da paixão e morte do Senhor e na Quaresma nos preparamos para o memorial destes na Semana Santa.

Os Evangelhos dão grande importância aos mistérios da dor de Jesus Cristo. Com base na antiga tradição, no Rosário contemplamos alguns destes mistérios da paixão do Senhor, fixamos neles o olhar do coração e os revivemos. “O itinerário meditativo [dos mistérios dolorosos] abre-se com o Getsemani, onde Cristo vive um momento de particular angústia perante a vontade do Pai, contra a qual a debilidade da carne seria tentada a revoltar-se”11. No jardim das Oliveiras, Cristo coloca-Se no lugar de todas as tentações da humanidade de todos os tempos, e diante de todos os seus pecados, para dizer ao Pai: “Não se faça a minha vontade, mas a Tua”12. Este seu “sim” a Deus muda o “não” dos nossos primeiros pais no jardim do Éden. “E o quanto Lhe deverá custar esta adesão à vontade do Pai, emerge dos mistérios seguintes, nos quais, com a flagelação, a coroação de espinhos, a subida ao Calvário, a morte na cruz, Ele é lançado no maior desprezo: Ecce homo!”13

Neste desprezo, revela-se não somente o amor Deus para com toda a humanidade, mas também o sentido da vida do homem. “Ecce homo [eis o Homem]14: quem quiser conhecer o homem, deve saber reconhecer o seu sentido, a sua raiz e o seu cumprimento em Cristo, Deus que Se rebaixa por amor ‘até à morte, e morte de cruz’1516. Dessa forma, os mistérios dolorosos nos conduz “a reviver a morte de Jesus Cristo, pondo-nos aos pés da cruz junto de Maria, para com Ela penetrar no abismo do amor de Deus pelo homem e sentir toda a sua força regeneradora”17.

O Rosário nos coloca diante destes mistérios, oferecendo-nos o “segredo” para nos abrir mais facilmente ao conhecimento profundo e empenhado de Cristo. O Rosário é o caminho de Maria. Nele, reconhecemos o seu exemplo de mulher de fé, de silêncio e de escuta. Ao mesmo tempo, o Rosário é o caminho de uma “devoção mariana animada pela certeza da relação indivisível que liga Cristo à sua Mãe Santíssima: os mistérios de Cristo são também, de certo modo, os mistérios da Mãe, mesmo quando não está diretamente envolvida, pelo fato de Ela viver d’Ele e para Ele”18. Dessa forma, podemos dizer que ao meditar os mistérios de Cristo, meditamos também, ainda que indiretamente, os mistérios de Maria.

A oração da Via-sacra com Nossa Senhora das Dores

A piedade cristã, desde tempos imemoriais, especialmente na Quaresma, “deteve-se em cada um dos momentos da Paixão, intuindo que aqui está o ápice da revelação do amor e a fonte da nossa salvação”19, através do exercício da Via-sacra. Na contemplação deste acontecimento histórico, no qual Jesus Cristo sofreu dores indizíveis, estava presente sua Mãe, a quem a piedade católica aplica as palavras do profeta Jeremias: “Ó vós todos que passais pelo caminho, parai e vede se há dor semelhante à minha dor”20. A este respeito, São João Crisóstomo dizia que: “Quem estivesse no Calvário veria dois altares, onde se consumavam dois grandes sacrifícios: um era o corpo de Jesus, o outro o coração de Maria”21.

No livro “A Paixão”, ditado por Jesus Cristo à confidente estigmatizada Catalina Rivas22, o próprio Senhor nos dá a conhecer, na contemplação do Seu encontro com sua Mãe na quarta estação da Via-sacra, a íntima união do Seu Coração com o Coração de Maria: “Segui Comigo uns momentos e, a poucos passos, ver-Me-eis na presença de Minha Mãe Santíssima que, com o Coração transpassado pela dor, sai ao Meu encontro com dois objetivos: para recobrar nova força de sofrer à vista de Seu Deus e para dar a Seu Filho, com Sua atitude heroica, alento para continuar a obra da Redenção.

Considerai o martírio destes dois Corações. Quem mais ama Minha Mãe é Seu Filho. […] Não pode Me dar nenhum alívio e sabe que o fato de vê-la aumentará ainda mais Meus sofrimentos; mas também aumentará Minha força para cumprir a vontade do Pai. Quem mais amo na terra é Minha Mãe; e não apenas não a posso consolar, como o estado lamentável em que Me vê proporciona a Seu coração um sofrimento semelhante ao Meu. […] A morte que sofro em Meu Corpo, recebe-a Minha Mãe em Seu Coração! […] Como se cravam em Mim Seus olhos e os Meus se cravam também n’Ela! Não pronunciamos uma só palavra, mas quantas coisas dizem Nossos Corações neste doloroso olhar”23.

Na contemplação da segunda queda de Jesus, na sétima estação, mais uma vez Ele se dirige a nós: “Filhos Meus, que seguem Meus passos, não solteis vossa cruz por mais pesada que esta vos pareça. Fazei isto por Mim, pois carregando vossa cruz ajudar-Me-eis a carregar a Minha e, pelo duro caminho, encontrareis Minha Mãe e as almas santas que irão vos dando ânimo e alívio”24. Através destas palavras do Senhor, compreendemos que os nossos sofrimentos, a cruz de Cristo em nossas vidas, nos concedem a graça de nos unir aos Seus sofrimentos e de ajudá-lo a carregar a Sua cruz. Além disso, ao carregar a nossa cruz, nos encontraremos com sua Mãe Santíssima, com quem Ele mesmo se encontrou a caminho do Calvário, e também com aquelas almas caridosas que nos darão ânimo e alívio nos sofrimentos.

A íntima união do Coração de Jesus com o Coração de Maria

Nesta Quaresma, contemplemos o rosto de Jesus Cristo tendo como nosso modelo a Virgem Maria. Durante este tempo, aprendamos com a Mãe de Deus a contemplação dos mistérios divinos, para que nos preparemos bem para participar da Grande Semana, na qual viveremos o memorial da Paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. Entretanto, a Virgem Maria não é somente modelo de contemplação, mas presença materna em nossas vidas, especialmente nos momentos de sofrimento, como esteve presente na vida de seu Filho, de modo particular em seus maiores sofrimentos.

Assim, juntos com Nossa Senhora, contemplemos os mistérios do Santo Rosário, especialmente os mistérios dolorosos, que nos colocam não somente diante dos sofrimentos de Cristo, mas também das dores de sua Mãe Santíssima. Pois, como dizia São Boaventura, doutor da Igreja, a respeito da presença de Nossa Senhora aos pés da cruz de Jesus, no Calvário “só havia um altar, a cruz, onde a Mãe era sacrificada com o Cordeiro Divino”25. Por isso, contemplar os mistérios dolorosos de Cristo significa também contemplar o mistério da espada de dor que transpassou o coração de sua Mãe26.

Na oração da Via-sacra, também devemos ter a consciência dessa íntima união entre o Sacratíssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria. Dessa forma, conheceremos muito mais os verdadeiros sentimentos de Cristo, não somente os seus sofrimentos físicos, pela flagelação, coroação de espinhos e crucifixão, e os causados por nossos pecados e os de toda a humanidade, mas também os causados pelos sofrimentos de sua Mãe Santíssima. Conheceremos melhor também os sofrimentos da Mãe de Deus, que por sua intimidade com o Filho, sofreu muito mais do que qualquer outra mãe, não somente por que viu os sofrimentos de Seu Filho, mas principalmente por que sabia o quanto Ele estava sofrendo.

Portanto, depois de conhecer a íntima união do Sagrado Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Maria, sabemos que quanto mais nos aproximamos da Mãe, mais nos aproximamos do Filho. Sendo assim, nesta Quaresma, nos aproximemos cada vez mais da Mãe de Deus, para que nosso coração esteja mais próximo de Jesus Cristo. Contemplemos os mistérios da paixão do Homem das dores, juntamente com a Mulher das dores, como fez o Discípulo amado, para que a entrega desses Corações intimamente unidos num só sacrifício produzam os frutos de conversão que o Pai quer realizar em nós, pela força do Espírito Santo. Nossa Senhora das Dores, rogai por nós!

Natalino Ueda, servo inútil de Jesus por Maria.

 

Links relacionados:

PADRE PAULO RICARDO. Rosário, uma arma contra as ciladas do demônio.

TODO DE MARIA. A Quaresma e o jejum.

TODO DE MARIA. Quaresma: tempo de encontro com Deus.

 

Referências:

1 Cf. Jo 2, 5.

2 SÃO JOSÉ MARIA ESCRIVÁ. Cristo que passa, 149.

3 PAPA JOÃO PAULO II. Carta Apostólica Rosarium Virginis Mariae, 10.

4 Cf. Lc 1, 26-38.

5 Idem, ibidem.

6 Cf. Lc 2, 7.

7 Lc 2, 48.

8 Cf. Jo 2, 5.

9 Cf. Jo 19, 26-27.

10 Cf. At 1, 14.

11 PAPA JOÃO PAULO II. Op. cit., 22.

12 Lc 22, 39-46.

13 PAPA JOÃO PAULO II. Op. cit., 22.

14 Cf. Jo 19, 5.

15 Fl 2, 8.

16 PAPA JOÃO PAULO II. Op. cit., 22.

17 Idem, ibidem.

18 Idem, 24.

19 Idem, 22.

20 Lm 1, 12.

21 CLÉOFAS. Nossa Senhora, Mãe do que sofre.

22 Catalina Rivas é uma leiga, dona de casa, que vive em Cochabamba, na Bolívia, e tem recebido mensagens de Jesus e Maria desde 1993. Seus escritos receberam o imprimatur de Monsenhor René Fernández Apaza, Arcebispo de Cochabamba, em 2 de abril de l998.

23 A GRANDE CRUZADA. A Via-Sacra.

24 Idem, ibidem.

25 CLÉOFAS. Op. cit.

26 Cf. Lc 1, 35.

Fonte: Todo de Maria

DESEJO À VOCÊ!

Que… “Chuvas de Bênçãos sejam derramadas abundantemente sobre ti e tua Casa“… Que… a Unção de DEUS seja como um bálsamo a envolver tua vida e te Ungir Completamente pela Glória de DEUS“… Que… “DEUS faça prosperar tudo aquilo que vier até tuas mãos, e que de uma semente cresçam milhares de árvores Frutíferas“… Que… “Todas as Promessas de DEUS sejam uma Coroa de Vitória e Vida para você como Prova da Fidelidade do teu DEUS, acerca de tudo o que Ele Fala e Cumpre“… Que… “Rios de águas Vivas corram dentro de tí, purificando, e levando tudo aquilo o que não é de DEUS“. Que…“A Glória de DEUS repouse sobre sua vida…Amém ...